Sistemas de detecção, alarme e combate a incêndio exigem projeto detalhado

0

As duas principais razões para a instalação adequada de um sistema de detecção e alarme de incêndio é a proteção da vida e da propriedade. Por isso, elaborar e executar corretamente um projeto desses sistemas é fundamental. Nesse sentido, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) publicou em 2010, a NBR 17.240 “Execução de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio” com orientações que devem ser seguidas pelo instalador.

Esse projeto consiste em instalações de sistemas que realizam a detecção e disparam o alarme de incêndio. Composto por detectores automáticos de princípios de incêndio como calor, fumaça ou chama, uma vez acionado, o sistema envia alertas a uma central, que, por sua vez, é encarregada por acionar os serviços de emergência.

O engenheiro civil, Alex de Souza Lima, consultor técnico da Ilumac, fabricante de sistemas de detecção e de alarme contra incêndio, explica que existem alguns passos importantes na elaboração e instalação dos equipamentos de prevenção. “A empresa ou condomínio procura alguém especializado no desenvolvimento de projetos para sistemas de combate a incêndio que irá até o local para observar o ambiente e analisar os riscos. Nessa fase são verificados todos os pontos críticos e identificados os locais onde serão instalados os equipamentos”, afirma

>> Em alta, incêndios estruturais podem ser contidos com instalação de equipamentos e alarmes

>> A estratégia de combate a incêndio do Parque Zoológico de São Paulo: preservando mata e salvando vidas

>> Detectores são fundamentais para identificar gases tóxicos, asfixiantes e inflamáveis

Na realização do diagnóstico presencial para definir quais são os riscos que a planta oferece também já devem ser esboçados todos os equipamentos necessários para a proteção do local. Em seguida é elaborado um projeto e enviado para o Corpo de Bombeiros para a aprovação. “Após essa etapa, é contratado ou definido o técnico especializado que fará a instalação”, diz Lima. “É também neste momento que recebemos o projeto para análise e definição de quais equipamentos atenderão ao projeto, quais são os mais adequados”.

Lima lembra que, se procurada, a Ilumac pode auxiliar na elaboração do planejamento. “E também oferecemos curso para que o instalador saiba exatamente como implantar nosso sistema.

O engenheiro lembra que todo esse processo precisa estar de acordo com a NBR 17.240. “Essa norma também define qual o período para que seja feita a inspeção e manutenção dos equipamentos de detecção e combate a incêndios”.

O que um projeto precisa ter

Em primeiro lugar, segundo Lima, é importante que os equipamentos do sistema de alarme de incêndio estejam todos em conformidade com as normas técnicas para que o projeto de alarme contra incêndio não possua baixa qualidade e para que os órgãos competentes fiscalizadores emitam laudos – entre eles o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros – AVCB, que atestem a segurança do edifício contra incêndio.

Nesse projeto, além do dimensionamento e distribuição dos sistemas de detecção e alarme para evacuação do edifício, são incluídos a distribuição correta e o dimensionamento exato de hidrantes, sistemas de supressão, extintores, iluminação, sinalização de emergência e dos sprinklers (dispersores automáticos de água).

Deixe uma Resposta

Seu comentário aguarda moderação.