Novo estudo conclui que aquecimento global é responsável por um terço de mortes relacionadas ao calor

Crédito Foto: Patrick Perkins- Unsplash

0

O aquecimento global é responsável por uma em cada três mortes por calor entre os anos de 1991 e 2018. Esse é o impacto, segundo um novo estudo publicado na revista científica Nature Climate Change, atribuído ao aumento da temperatura global induzida pelos homens. Pela primeira vez, o documento apresenta as consequências causadas pelas mudanças climáticas e aponta outros fatores de risco para a saúde humana, que vão desde o aumento de incêndios florestais e condições climáticas extremas, até mudanças na propagação de doenças.

Liderado pela Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres (LSHTM) e pela Universidade de Berna, dentro da Rede de Pesquisa Colaborativa Multi-Country Multi-City (MCC), o estudo analisou dados de 732 locais em 43 países e estima que a América Central, América do Sul e Sudeste Asiático estão entre as regiões mais afetadas pelo problema. Colômbia e Equador, por exemplo, registraram um aumento de 76% no número de óbitos relacionados ao calor.

Outras cidades do continente americano também mantêm essa tendência: Santiago, capital do Chile, viu o número de mortes por calor subir 44%; Nova Iorque, nos Estados Unidos, apresentou dados similares. Já do outro lado do globo, no Sudeste Asiático, o aumento fica entre 48% e 61%. Outras importantes cidades mundiais, como Atenas (Grécia), Roma (Itália), Madri (Espanha), Londres (Inglaterra), Bangkok (Tailândia) e Ho Chi Minh (Vietnã), também já notaram os efeitos do aquecimento global na saúde de suas populações e acenderam o sinal vermelho para a questão.

E as previsões futuras não são animadoras. Os cenários das condições climáticas prevêem um aumento considerável nas temperaturas médias, culminando em eventos extremos como ondas de calor, que podem aumentar, ainda mais, a mortalidade e morbidade associada ao calor. Além disso, o documento mostra que o calor se distribui de forma desigual geograficamente, sendo que as populações que vivem em países mais pobres são as mais afetadas.

Os autores do estudo avaliam que essas evidências reforçam a urgência de adotar políticas para reduzir o aquecimento futuro e implementar intervenções para proteger as populações das consequências adversas da exposição ao calor. Para Antonio Gasparrini, professor da LSHTM, autor sênior do estudo e coordenador da Rede MCC, a mensagem é clara: “As mudanças climáticas não terão apenas impactos devastadores no futuro, mas todos os continentes já estão experimentando as terríveis consequências das atividades humanas em nosso planeta. Devemos agir agora”, alerta.

Deixe uma Resposta

Seu comentário aguarda moderação.