Incêndio na UFRJ alerta para falta de sistemas de prevenção

0

No último dia 20 de abril a reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro pegou fogo. No mesmo dia, a assessoria da unidade de ensino afirmou, em nota, que “um projeto básico para prevenção e combate a incêndios, elaborado pelo Escritório Técnico da Universidade (ETU), aguarda orçamento do governo federal para aplicação”, conforme publicou o portal “Eu, Rio”.

Essa é segunda vez que um prédio da UFRJ pega fogo. Em setembro de 2018 as chamas destruíram o Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, no bairro de São Cristóvão, na região central da capital fluminense.

Já o incêndio na reitoria, que fica no segundo andar da UFRJ, na Ilha do Fundão, foi de pequenas proporções. A semelhança é que nos dois casos as chamas começaram devido ao defeito em um ar-condicionado. Um alerta para as condições de equipamentos. Se houvesse um sistema de prevenção de incêndios que promovesse inspeções regulares e manutenção preventiva, os riscos de episódios como o de abril seriam minimizados.

>> Governo do Mato Grosso do Sul institui Plano de Manejo Integrado do Fogo para prevenir e combater incêndios florestais

>> Livro traz estudos de 51 anos de tragédias provocadas por incêndios em grandes edifícios

>> Manutenção preventiva é essencial para evitar incêndios em máquinas agrícolas

Ao ignorar as normas de prevenção, tanto no que diz respeito às ações de educação, de aquisição e manutenção de equipamentos contra incêndio, as instituições têm um ambiente propício para a ocorrência de desastres que nem sempre terminam como na UFRJ, quando não houve feridos e as perdas materiais foram pequenas, segundo o Corpo de Bombeiros.

Uma das formas de prevenir é ter um plano, traçando todos os objetivos de uma brigada de incêndio, principalmente em grandes instituições e empresas.

Deixe uma Resposta

Seu comentário aguarda moderação.