Home Notícias O bravo trabalho dos bombeiros em Brumadinho

O bravo trabalho dos bombeiros em Brumadinho

0
0

A sequência de imagens do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG) é marcante: a terra que desaba, vira lama e leva tudo pelo caminho, deixando um rastro de mortes, perdas e dor na população local. Em meio ao crime humano e ambiental, destaca-se a atuação dos bombeiros. 

Considerados “heróis” por todos que acompanham o trabalho nos últimos dias, os profissionais recebem o reconhecimento em todo lugar. No sábado, dia 02 de fevereiro, por exemplo, ao retornarem das buscas, foram recebidos com palmas pelas pessoas que estavam na Estação Conhecimento, perto do local onde ocorre o pouso e decolagem dos helicópteros em ação desde o início das operações de resgate. 

Os números a seguir, divulgados pelo Corpo de Bombeiros de Minas Gerais até o fechamento dessa matéria, dão conta de todo o trabalho de salvamento: 

  • 134 mortos confirmados – 120 identificados
  • 199 desaparecidos
  • 192 resgatados
  • 395 localizados

No entanto, o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais na operação em Brumadinho, afirmou à imprensa na segunda feira (04) que a ação de resgate pode ser encerrada sem que todos os corpos desaparecidos sejam localizados. “É uma possibilidade já deslumbrada em situações deste tipo, em que se tem estrutura colapsada e lama já é esperado que alguns corpos não sejam encontrados”.

Segundo ele, o trabalho é feito praticamente em ritmo incessante e o mais rápido possível para encontrar o maior número de pessoas. “Só que, evidentemente, pela característica da tragédia e a situação biológica de decomposição, alguns corpos a gente estima que infelizmente não serão possíveis de serem recuperados, mas trabalhamos para que seja o menor número possível”, disse o tenente.

O capitão Leonard de Castro Farah, comandante das operações de busca e salvamento do Corpo de Bombeiros de MG, ressaltou que cerca de 90% dos bombeiros que atuam em Brumadinho estavam em Mariana também. De acordo com ele, a operação de resgate e salvamento da tragédia de 2015 passou a servir de referência para o treinamento dos bombeiros. 

BombeirosSC_Brumadinho

Farah conta que uma de suas primeiras medidas foi pedir à Vale uma cópia do plano de contingência da empresa para a barragem e, quando o leu, viu que não era exequível por causa das edificações embaixo da barragem. “O tempo de resposta ali era praticamente zero”, afirmou à reportagem do UOL.

Cães farejadores

Enviados especiais a Brumadinho e Belo Horizonte, um batalhão com cerca de 20 cães militares presta auxílio especial nos resgates feitos em Brumadinho. Thor, Bravo, Airon e Lua são apenas alguns dos bombeiros caninos que trabalham tentando encontrar vítimas ainda soterradas nos rejeitos da barragem.

Thor, um Border Collie de cinco anos, coleciona trabalhos relevantes no currículo e se tornou um grande aliado do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

Ele atuou no desastre de Mariana, foi a Herculano e a Sardoá. O sargento Leonardo Costa, há seis meses ao lado de Thor, conta orgulhoso os feitos de seu companheiro herói em matéria do portal Metrópoles. “Ele foi acionado desde o primeiro dia. O cachorro consegue ir a locais de difícil acesso. Faz o melhor que pode. Em outras ocasiões, já encontrou sobreviventes em tragédias”, disse.

O labrador Bravo também tem trabalhado duro. Ele e mais três cães da mesma raça chegaram ao município mineiro na sexta feira, dia 01. Acostumados com o clima frio de Santa Catarina (SC), a turma precisa de uma atenção especial, uma vez que os termômetros em Brumadinho chegam a 33ºC.

“Nos preocupamos muito com a hidratação e alimentação deles. Estamos recebendo apoio veterinário e sempre que voltam dos resgates damos um banho. Esse é o primeiro trabalho dessa magnitude em que ele atua. Está se saindo muito bem”, explicou o cabo Jakes Romão, do Corpo de Bombeiros de Santa Catarina.

A edição de capa da revista Incêndio desse mês destaca o trabalho fundamental dos cães bombeiros em acidentes e outras tragédias pelo Brasil. 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *